Agricultura Familiar e Produto Orgânicos

Adão de Jesus Ferreira

As Pragas na Lavoura – Histórico

Acredita-se que as pragas do Egito (Como cita a Bíblia) que antecedem ao Êxodo do povo hebraico, aproximadamente  1.250 anos AC tenha a justificativa científica, já por ter ocorrido um desequilíbrio do meio ambiente. No caso da invasão dos gafanhotos, das rãs e das pestes tenham ocorrido por desequilíbrio ambiental e falta de higiene nas aglomerações humanas.

São também dignas de comentário as técnicas do Dr. Rudolf Steiner que em 1920, percebendo a dificuldade dos agricultores da região (Alemanha), em melhorar a sua produção agrícola, através de uma pesquisa em que reunia conhecimentos de biologia e astronomia, criou o método produtivo denominado “agricultura biodinâmica”. Para difundir a sua tecnologia o Dr. Steiner consegui reunir no castelo de Koberwitz em Breslau na Alemanha, cerca de 300 produtores agrícolas, na sua maioria nobres da Alemanha e Suíça, para apresentar suas técnicas de produção agropastoril. Seus experimentos baseavam-se nas forças magnéticas do Cosmo, Biologia e Forças espirituais.  O Dr. Steiner fundou uma entidade que pregava a relação dos seres da Terra com o Cosmo. Quando alguém  contestava sua teoria por ser fundamentada em “crendice”, ele apenas respondia – os senhores podem até afirmar que seja crendice, mas aconselho a testar em suas propriedades, depois de digam se funcionou ou não . Alguns desses ensinamentos chegaram até nossos tempos; plantar e colher em determinadas fazes da lua. Quem já não ouviu falar no Almanaque do Pensamento, que possuía um calendário para o cultivo de plantas conforme o período mais próximo ou distante de determinado astro.

Não podemos também deixar de tecer algum comentário sobre o período histórico da nossa agricultura em que surgiram os famosos “agrotóxicos” , que na época, a partir de 1940  surgiu como grande descoberta, que poderia acabar com a fome da humanidade, acabando com as pragas da lavoura. Longe estávamos em saber que estas ditas pragas na verdade, são apenas pequenos seres que podem conviver com nossas plantações harmoniosamente e até mesmo de forma simbiótica com as diversas cultivares.

No entanto a crença de que o uso de agrotóxico veio para acabar com a fome no mundo, apregoada pelas indústrias químicas que produzem os mesmos, conseguiu difundir o seu uso a custa de maciça propaganda enganosa. As grandes indústrias de agrotóxicos (Venenos)- Que eles denominam de “defensivos agrícolas” mantêm estes produtos no mercado a custa de “lobs” e demandas judiciais. O uso indiscriminado desses produtos tem matado ou tirado a saúde de muitos agricultores.

Associada aos agrotóxicos, outra técnica que silenciosamente vem comprometendo a saúde da população, é a transgenia. Estes produtos denominados “transgênicos”, são totalmente alienígenas, não pertencem a nenhuma categoria ou espécie encontrada no globo terrestre.

Temos que lembrar novamente o texto bíblico, agora no “gênesis”.  Podem dispor de todas as plantas da terra; mas não toquem na árvore da vida (A genética – formadora da vida -)

O organismo do ser humano levou 10.000 anos para ajustar-se aos alimentos que hoje dispomos. Assim precisaremos outros tantos para que possamos nos ajustar aos ditos  transgênicos. E agora os seus produtores não querem que saibamos onde eles estão nos mercados (Para que possamos nos envenenar sem saber), retirando do rótulo o símbolo (T) de transgênico (É um Projeto de Lei aprovado na Câmara dos Deputados e está para ir ao Senado). Este símbolo identifica a característica (Transgênico). E eles realmente fazem mal a saúde, é o que dizem os pesquisadores; como afirmam diversos médicos cientistas contemporâneos.

Encerrando o nosso comentário, queremos enaltecer os produtores da Agricultura Familiar que não medem esforços para colocar na prática os conhecimentos sobre a produção de alimentos orgânicos, livres de agrotóxicos e de transgênicos devidamente saudáveis. Os produtores orgânicos em especial da Agricultura Familiar podem ser a solução para que tenhamos produtos saudáveis na nossa mesa. Já que o grande produtor só pensa em retorno financeiro e exportação de de “comodities”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *